• DESTAQUE
    por Márcia Alves

 

 

RenovaBio:
menos emissões

 

O RenovaBio, programa do governo federal que deverá impulsionar o etanol, foi lançado em dezembro do ano passado.


Colocado em consulta pública no primeiro trimestre, o programa teve suas diretrizes aprovadas pelo Conselho Nacional de Política Energética (CNPE) em junho. Em suma, as diretrizes estratégicas indicam a necessidade de introduzir mecanismos de mercado para induzir a eficiência produtiva e a competição, com a menor emissão de gases.


“Cada produto terá um valor ou uma nota. Por exemplo: se o etanol de milho tiver a nota 1, talvez, o etanol de cana tenha nota 6. E daí haverá estimulo para o produto que seja mais sustentável e com maior redução de emissões, desde o plantio até o escape dos veículos”, explica Pádua.


O horizonte do RenovaBio é 2030. A intenção é permitir ao Brasil cumprir suas metas, acertadas na COP 21, de Paris, quanto à redução de 43% das emissões de gases do efeito estufa até aquele ano, tendo por base 2005. O programa deverá estabelecer metas de uso de biocombustíveis atreladas a emissões de gases de efeito estufa. O setor sucroenergetico acredita que o próximo passo do governo para colocar o RenovaBio em prática será uma medida provisória, provavelmente, em agosto.


Já o diretor de Planejamento Estratégico do sindicato nacional das distribuidoras (Sindicom), Helvio Rebeschini, destaca a importância do programa diante do esgotamento de capacidade das refinarias. “Entendemos que em dez anos, até 2030, dificilmente teremos uma refinaria pronta do zero. Por isso, o RenovaBio é importante para o nosso pais, até para complementar a demanda de biocombustíveis.


Durante os próximos anos, o processo de importação ainda será necessário, mas existe espaço para todos”, diz.


Leia Mais

Basta de fraudes nos combustíveis!

Programa Combustível Legal amplia seus esforços no combate ao comércio irregular, com o apoio do Sincopetro, e busca, sobretudo, estimular o engajamento popular.

Mais...


Etanol importado deverá ser taxado

Depois do recorde de importação, produtores propõe taxação de 17% para equilibrar mercado.

Mais...