• SUA EMPRESA
    por Denise de Almeida

 

 

É tempo de chuva!

 

Um temporal de poucos minutos pode ser o suficiente para trazer prejuízos ao revendedor.

 

As fortes chuvas que em geral ocorrem no começo de cada ano e provocam enchentes e inundações em muitas localidades podem trazer sérios transtornos também para os donos de postos de combustíveis. Mesmo que o estabelecimento não esteja instalado em área de risco, muitas vezes, basta uma chuva forte para a água chegar aos reservatórios de contenção e instalações periféricas e auxiliares, alcançando os tanques de armazenamento subterrâneo e atingindo até partes elétricas e de automação, o que pode gerar um curto-circuito em toda a rede.


O maior problema, no entanto, é que, na maioria dos casos, essa situação ocorre de maneira silenciosa e sem que o revendedor perceba, já que podem ser pequenas infiltrações, mas que, se não sanadas rapidamente, certamente irão comprometer a qualidade do combustível armazenado.


Segundo Solange Zeppini, gerente de marketing da fabricante Zeppini Ecoflex, a melhor maneira de evitar esse tipo de aborrecimento é através da instalação adequada, inspeção e manutenção periódica dos equipamentos. Assim, caso não tenha feito uma inspeção rigorosa em todo o Sistema de Armazenamento Subterrâneo de Combustíveis (SASC) do seu posto nos últimos meses, essa é a hora! Solange ensina que para identificar possíveis infiltrações é necessário estar atento e monitorar os reservatórios de contenção para a possibilidade de existência de água em seu interior.


“Além disso, o revendedor deve estar atento ao fluxo de escoamento das águas pluviais, verificando se ele segue na direção dos tanques, bem como na manutenção desse sistema de escoamento, garantindo que ele não esteja obstruído”, explica.


Para Lincoln César, diretor administrativo da também fabricante de equipamentos para postos Ecobrasil, o revendedor deve ainda checar todas vedações das tampas de descarga de combustíveis. “Se estiverem sem as suas respectivas juntas, com certeza irá ocorrer a infiltração de água e vai contaminar o combustível. Também é interessante verificar se as tampas não estão trincadas”, diz. E complementa: “O revendedor também deve checar a junta da tampa de monitoramento e drenar com frequência os spills de descarga”, orienta.


Por fim, feitas todas as inspeções e possíveis reparos ou instalações, os sistemas de monitoramento eletrônico são um importante aliado na hora de identificar a presença de líquido no sistema. Lincoln assegura que “com uma bomba de drenar, ele [o revendedor] consegue saber se a água entrou nos tanques ou no tubo de monitoramento”.

 

Atenção para possíveis infiltrações!


• Inspecione as câmaras de contenção (sump e spill) dos tanques, bombas e filtros, e mantenha-as limpas, sem resíduos e líquidos;
• Verifique a vedação das tampas das bocas de descargas dos tanques e, especialmente após o descarregamento de produto, se elas foram fechadas corretamente;
• Execute a manutenção nos sistemas de drenagem de águas pluviais e no de águas contaminadas, deixando-os limpos e desobstruídos;
• Durante as chuvas, observe se o escoamento das águas está na direção da área de instalação dos tanques.


Leia Mais

Bicos automáticos são obrigatórios em todo Brasil

A partir da publicação da portaria do Ministério do Trabalho no ano passado, que reforça a segurança dos trabalhadores expostos ao benzeno

Mais...